Algarismo indo-arábico

De Nikkeypedia

Filippo Calandri, De Arithmetica, Florença: Lorenzo Morgiani e Johannes Petri, 1 de Janeiro, 1491-92. Página 145 com a terminologia "Numeri in abaco scribendi" referindo-se aos algarismos arábicos.
Filippo Calandri, De Arithmetica, Florença: Lorenzo Morgiani e Johannes Petri, 1 de Janeiro, 1491-92. Página 145 com a terminologia "Numeri in abaco scribendi" referindo-se aos algarismos arábicos.

Os algarismos arábicos foram trazidos da Índia para o Ocidente e por isto também são chamados indo-arábicos.

Foram criados por Abu Abdullah Muhammad Ibn Musa al-Khwarizmi (778 (?) - 846).

Al-Khwarizmi nasceu na região central da Ásia, onde hoje está localizado o Uzbequistão. Posteriormente emigrou para Bagdá, onde trabalhou na “Casa da Sabedoria” como matemático durante a era áurea da ciência islâmica.

Conteúdo

[editar] Etimologia

Durante a Idade Média assim foram chamados:

  • Modus Indorum [1]
  • De numerorum abaci rationibus [2]
  • De Arte Numerandi
  • Algorismus de integris
  • Algorismus de integris abbreviatus
  • Algorismus vulgaris
  • Numeri in abaco scribendi - Filippo Calandri, De Arithmetica, Florença: Lorenzo Morgiani e Johannes Petri, 1 de Janeiro, 1491-92.[[3]]
  • Arabicè ciphra

[editar] Paleografia dos algarismos arábicos

Os algarismos indo-arábicos são as formas de simbolismo mais comumente usadas para representar os números.
Porém duas questões ainda permanecem entre alguns matemáticos:

  • Será que todos os números indo-arábicos que usamos atualmente seriam na realidade ideogramas numéricos?
  • Teriam sido estes símbolos idealizados de uma maneira lógica?

O sistema de numeração arábico consiste dos símbolos abaixo:

1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 e 0

que são derivados da versão ainda hoje usada no mundo muçulmano:

٩, ٨, ٧, ٦, ٥, ٤, ٣, ٢, ١, e ٠

[editar] Teoria sobre a paleografia dos algarismos arábicos: 1, 2, 3 e 4

Imagem:Algarismos Arábicos 1234.JPG
Teoricamente pode-se supor que cada algarismo continha originalmente exatamente a quantidade de ângulos cujo número se desejava representar.

Teoricamente pode-se supor que cada algarismo continha originalmente exatamente a quantidade de ângulos cujo número se desejava representar.
Assim o algarismo "1" era representado por dois traços que se uniam num vórtice superior (como um "V" invertido), o "2" como um "Z", o "3" como um sigma (Σ) invertido, o "4" quase exatamente como é hoje.

Em outras palavras, os números arábicos um, dois, três e quatro foram baseados em traços que formam ângulos, assim:
a) O número um tem um ângulo,
b) O número dois tem dois ângulos aditivos,
c) O número três tem três ângulos aditivos,
d) O número quatro tem quatro ângulos aditivos.
Teoricamente, devido à escrita cursiva, o número quatro teria sido modificado e fechado, facilitando a sua caligrafia e futura tipografia, tornando-o diferente, por exemplo, do símbolo da cruz.[4]

[editar] Teoria sobre a paleografia dos algarismos arábicos: 5,6,7,8,9 e 0

Imagem:JuanDeYciar.jpg
Figura da grafia manuscrita com o correto sequenciamento e formato dos algarismos arábicos na página de título do livro " Libro Intitulado Arithmetica Practica " por Juan de Yciar, matemático e calígrafo Basco, Saragossa 1549

Teoricamente, os números: “5“ (cinco/quinto), “6“ (seis/sexto), “7“ (sete/sétimo), “8“ (oito/oitavo), “9“ (nove/nono), e “0“ (dez/décimo) foram definidos usando os conhecimentos sobre as representações manuscritas do ábaco.
Um tipo de ábaco de base cinco/dez foi especialmente usado de modo semelhante a representar os valores de cada mão humana.

[editar] Teoria sobre a paleografia do "zero": definindo um símbolo para o zero

O "zero" foi introduzido posteriormente e a sua correta notação foi de extrema importância histórica, pois a cadência decimal usada pelos números indo-arábicos impunha a sua representação gráfica. Esta representação teria sido historicamente demorada por corresponder à casa vazia do ábaco.

[editar] Difusão européia e internacional dos algarismos indo-arábicos

Foram introduzidos na Europa por Fibonacci, matemático e mercador italiano, que escreveu no seu livro Liber abaci os conhecimentos que adquiriu no Oriente.

Os algarismos indo-arábicos não foram adotados em Portugal nem na península ibérica de imediato.

Hoje é usada uma versão pouco modificada destes algarismos na maioria dos países do mundo.ja:アラビア数字

Ferramentas pessoais